Falamos sobre o que gostaríamos de fazer, pensamos no que somos bons, no que podemos aprimorar e como podemos juntar tudo isso para realizar nossos SONHOS. Uma palavra tão repleta de sentidos, significados e desejos, mas que muitas vezes não sabemos o que fazer para se chegar lá.

IMG_6824Sim, planejar é extremamente importante, nos conhecer também, mas saber e ter coragem de dar os primeiros passos para tirar estes sonhos do papel é de extrema importância. E aqui não tem segredo: É começar mesmo! Semana passada, assisti à mesa redonda sobre “Nova literatura brasiliense: independente, colaborativa e compartilhada” com três jovens (Isabella de Andrade, do projeto OCiclorama e autora de Veracidade; Guilherme Di Angellis, autor do livro Metafísica do desejo; Rafael Bicalho, do projeto Essa História é Nossa) que possuem algo em comum: estão correndo atrás dos seus sonhos, dando o ponta pé inicial nos seus projetos, estejam eles prontos ou em adaptação, em melhoria ou sendo ajustados ao longo da caminhada. A maior parte das perguntas do público relacionou-se a como começar, como publicar, como lidar com as adversidades do ambiente. Por isso, achamos importante trazer algumas reflexões para as pessoas que estão nesta mesma fase: O Início.

1 – O que precisa para viver – Sim, esse é um aspecto muito prático e que nos faz adiar, adiar, adiar… De fato, o retorno financeiro no início não é fácil. Por isso, é importante saber exatamente do quanto você precisa para viver. Se já conseguiu ter uma reserva financeira para bancar o início, ótimo! Se ainda não conseguiu, pense nas oportunidades, então…

2 – Conheça suas oportunidades – Falamos disso no texto anterior. Conheça o que você tem de melhor que te ajudará neste momento e quais oportunidades existem ao seu redor. Nem sempre poderemos começar fazendo somente aquilo que sonhamos. Talvez, seja necessário realizar atividades paralelas que nos permitam o sustento e a tranquilidade necessária para investir nos projetos. Foco é importante? Muito! Mas sabemos muito bem que temos contas a pagar, além disso, com um bom plano, conseguimos o equilíbrio necessário.

3 – Conte para todo mundo! – Se as pessoas não souberem o que você está fazendo, mesmo que esteja bem embrionário, como irão lembrar de você e te indicar? Como irão te convidar para projetos, parcerias, bicos, etc.?

4 – Persistência – Faça uma transição gradual, mas consistente! Apoie-se no que você já faz hoje e crie uma nova rotina de experimentação. Nem tudo dará 100% certo no primeiro mês, segundo ou terceiro, mas avalie o que está funcionando e vale mais investimento, o que não funcionou, porque não funcionou e onde melhorar. Parece óbvio falar isso, mas quantas vezes de fato analisamos e avaliamos nossos projetos de forma crítica e consistente? Quantas vezes entendemos qual nossa real responsabilidade no que não deu certo e como podemos mudar esta parte?

5 – Faça seu próprio caminho – Sim, existem muitas dicas, livros e pessoas que nos inspiram a chegar lá, mas cada um tem sua história e seu momento, não há uma fórmula mágica. Não se compare somente com quem já está lá na frente, afinal, você sabe como ele começou? Então, construa o seu Começo, o seu Caminho!

E então eu assumiria as consequências, não importa quais fossem. O nomezinho disso: vida. É sempre uma incógnita, portanto não vale à pena tentar fugir das decepções ou dos êxtases, eles nos assaltarão onde estivermos.”

Marta Medeiros

Então, sigamos firmes e em frente!


Para te ajudar a colocar estes pontos em prática, construímos uma ferramenta que apoiará a ampliação das perspectivas em cada um dos pontos abordados acima. Basta se inscrever na nossa newsletter que você receberá o arquivo diretamente no seu e-mail.